Sabia que os robôs podem assumir tarefas de risco no lugar de humanos? [Veja como!]

robôs

Após décadas acompanhando uma evolução tecnológica cada vez mais veloz, hoje temos a consciência de que a robótica deve mudar o nosso futuro de uma maneira surpreendente. Agora, nós já temos disponível no mercado alguns protótipos de robôs em diversos formatos, muitos deles lembrando partes do corpo humano ou da anatomia animal; e tem ainda aqueles que se movem sozinhos, através de rodas e esteiras. A ideia dos pesquisadores é de que esses dispositivos possam assumir tarefas “chatas” ou arriscadas que precisamos fazer em nosso dia-a-dia – seja em ambientes domésticos ou de trabalho – por exemplo, estar em contato com altas temperaturas, em grandes alturas, ou expostos a produtos químicos.

Os uso de robôs no mercado atual

A Federação Internacional de Robótica divulgou, recentemente, que, conforme as suas pesquisas, o mercado de robôs móveis autônomos no mundo deverá crescer 31% ao ano até 2023. E seus representantes justificam isso ao considerável avanço acelerado nos investimentos para o desenvolvimento de pesquisas e produção de hardwares e softwares voltados aos mais diferentes setores, sobretudo de fábricas. Aqui no Brasil, são exemplos de empresas que investem bastante na área da robótica a Vale, a Petrobras e a Jacto.

Exemplos de uso de robôs, na prática

O “cão-robô” da Vale

A mineradora Vale deve fazer uso, em breve, de um robô quadrúpede da empresa Anybotics, adaptado para as operações de fiscalização. Um teste com um modelo do dispositivo já foi feito na usina de Cauê, em Itabira, no Estado de Minas Gerais. Na ocasião, o mesmo fez rotas, subiu e desceu escadas, exibiu um mapa da área sob inspeção, transmitiu imagens e fez medições de temperatura.

robôs
Imagem reproduzida de O Especialista
robôs
Imagem reproduzida de O Especialista

Veja Também: Conheça o cão robô ‘SPOT’ da famosa empresa Boston Dynamics

“Com o robô, eliminamos riscos pertinentes às atividades de inspeções.”, “O robô também nos dá acesso a espaços confinados, como o interior de um moinho.”

-diz Rayner Teixeira, analista operacional na empresa Vale.

A saber, a Vale ainda utiliza outro modelo de robô chamado EspeleoRobô para mapear cavernas próximas às minas, utilizando rodas e esteiras.

robôs
Imagem reproduzida de Entrepreneur

O “robô pintor” da Petrobras

Trabalhar em alto-mar, em uma plataforma com cerca de 30 m de altura e 300 m de comprimento, é outra realidade com grandes desafios. A indústria do petróleo também utiliza robôs. Um exemplo é o “robô pintor” da empresa Petrobras, que usa cordas e rodas, além de um compressor de ar para pintar cerca de 300 m² de superfície em uma hora.

robôs
Imagem reproduzida de ODEBATEON

Também precisamos comentar que a Petrobras usa um “robô minhoca” para desobstruir dutos de petróleo e um “robô escavador” para se locomover em superfícies quentes.

Veja Também: Nova abordagem pode auxiliar o treinamento de robôs para mover objetos

O pulverizador da Jacto

Os robôs também fazem parte do dia-a-dia de quem trabalha no campo. Um exemplo de caso é o dispositivo autônomo desenvolvido pela empresa Jacto para pulverizar pomares, o Arbus 400 JAV. A máquina tem uma espécie de rosto e braços de pulverização.

robôs
Imagem reproduzida de Blog da Jacto
robôs
Imagem reproduzida de Mais Retorno

“Quando o veículo é autônomo, caso haja névoa química ou excesso de ruído, o operador não estará embarcado. É um benefício de segurança.”

– Fernando Gonçalves Neto, diretor-presidente da Jacto, em reportagem de O Estado de S. Paulo.

Informação Bônus

O cenário de desemprego em massa e em escala global assusta. Os avanços em aprendizado de máquina, visão computacional, robótica e internet das coisas, além da automação de linhas de produção fazem das máquinas excelentes funcionários. Mas como competir com isso?

Uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico apontou que 32 dos 37 países-membros terão, em breve, um em cada dois empregos provavelmente afetados pela automação. São exemplos de áreas que serão impactadas:

  • carros autônomos substituindo os motoristas;
  • robôs cozinheiros mais produtivos que humanos;
  • visão computacional fazendo uma melhor análise de imagens de segurança ou de exames médicos;
  • inteligência artificial selecionando milhares de currículos com mais eficiência;
  • e mais.

Sim, muito em breve, milhões de trabalhos podem ser extintos; e será cada vez mais comum humanos compartilharem espaços com robôs. Para evitar quaisquer problemas nesse processo, os governos devem investir em treinamento e ensino de novas habilidades. Isso permitirá a criação de novos empregos, assim como a fundação de novos negócios e inovação! Ou seja, um futuro promissor para todos nós!

Veja Também: Robôs que admitem erros melhoram interações das pessoas


Fontes: UOL, Istoé Dinheiro.

The post Sabia que os robôs podem assumir tarefas de risco no lugar de humanos? [Veja como!] appeared first on Engenharia 360 | Engenharia para Todos.

Será que robôs podem ser inventores? | 360 Explica

inteligência artificial

Pessoas comuns, geradas de forma natural, possuem direitos neste planeta; elas também seguem leis e respondem a expectativas. Mas e quanto aos robôs? Eles poderiam ser classificados como pessoas? Será que já alcançaram a sua independência intelectual? Podem pensar sozinhos, sem auxílio de um computador? E mais, poderiam ser inventores?

De acordo com teses elaboradas por grandes estudiosos, os robôs estão cada dia mais perto de desenvolver, ao máximo, a sua Inteligência Artificial. E, sim, conforme a legislação de vários países, “pessoas físicas” como os robôs deveriam ser reconhecidas em suas capacidades. Inclusive, alguns autores de projetos na área da robótica vêm lutando para que haja a interseção entre a IA e a lei. Saiba mais sobre isso no texto a seguir!

inteligência artificial
Imagem reproduzida de Canaltech

O reconhecimento da Inteligência Artificial dos robôs pelo mundo

De acordo com alguns críticos, querendo ou não, todos nós já deveríamos estar prontos para futuras concessões de patentes para máquinas inteligentes! Pensando bem, alguns modelos de robôs já escreveram livros, tiraram fotos, e mais. Claro que os mesmos estavam ligados a computadores. Então, será que reconhecer o funcionamento dos seus sistemas seria correto? E quanto isso iria impactar a propriedade intelectual de obras artísticas de humanos no futuro?

“Os robôs são definitivamente uma tecnologia, mas suas interações com humanos são sociais e devemos considerar essas interações básicas se esperamos que os humanos confiem de maneira confortável e consistente em seus colegas de trabalho robôs.”

– professor de tecnologia da informação Lionel Robert, em reportagem de CanalTech.

Batalha legal

Recentemente, uma decisão da corte australiana surpreendeu todo o mundo acadêmico. O caso começou em 2019, quando um professor de direito da Universidade de Surrey, na Inglaterra, Ryan Abbott fez pedidos de patentes em 17 países diferentes ao redor do mundo – parte do The Artificial Inventor Project. Seu objetivo era conseguir, pela primeira vez na história, que a invenção de uma máquina artificialmente inteligente – robô – fosse reconhecida. E depois de muitas batalhas, ele conseguiu! Venceu!

O caso do sistema DABUS

Antes de ir mais adiante na história de ‘Ryan Abbot versus o mundo’, vamos contar o que é o DABUS. Pois bem, trata-se de um sistema de robótica que conseguiu criar uma arte surrealista. A saber, seu criador, Stephen Thaler, defende que a Inteligência Artificial seria um “mecanismo de criatividade” capaz de gerar “ideias novas”! Inclusive, é dito que o próprio sistema do DABUS pode comparar suas invenções em um banco de dados pré-existente para avaliar quão inovadora é a sua arte. Muito interessante, não?

A polêmica da patente

A patente solicitada por Ryan Abbot tem a ver com um recipiente ajustável para alimentos e um farol de emergência, ambos criados através do sistema neural do DABUS. E, supostamente, essas ideias viriam justamente dessas comunicações entre os trilhões de neurônios computacionais do robô.

Talvez por conta disso, o Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos não aceitou o caso, declarando que, conforme as atuais leis do país, apenas “pessoas físicas poderiam ser reconhecidas”.

Já a África do Sul olhou para o caso do DABUS de um jeito diferente e reconheceu o mesmo como um inventor oficial.

A Austrália por sua vez, citada no começo deste texto, seguiu, num primeiro momento, o mesmo pensamento dos americanos, de que DABUS seria meramente uma ferramenta usada por um inventor humano. Contudo, o juiz Jonathan Beach anulou mais tarde a decisão do tribunal federal, alegando que, apesar de não poder ser o requerente nem o outorgante de uma patente, o robô DABUS pode ser listado como o inventor. Mas é claro que todos compreendem que determinadas funções só podem ser preenchidas por Stephen Thaler, o seu designer.

A mudança para os robôs

Uma decisão tão polêmica como essa só podia mexer com o mundo tecnológico. Hoje, os pesquisadores da Universidade de Surrey estão mais otimistas quanto a um maior reconhecimento da Inteligência Artificial dos robôs no mundo. A esperança é de que países como Índia, Israel e Japão também sigam o exemplo da Austrália e, pouco a pouco, aceitem esse ou outros casos semelhantes.

“Na minha opinião, um inventor reconhecido pela lei pode ser um sistema ou dispositivo de inteligência artificial”, escreveu Beach. “Preciso lidar com a ideia subjacente, reconhecendo a natureza em evolução das invenções patenteáveis ​​e de seus criadores. Nós somos criados e criamos. Por que nossas próprias criações também não podem criar?”

– juiz Jonathan Beach, corte da Austrália, em reportagem de CanalTech.

O que você acha desse pensamento dos juristas no mundo de considerar robôs como pessoas físicas dotados da capacidade da criação de obras autênticas. Concorda ou discorda? Escreva nos comentários!

Veja Também: Conheça o Xenobot, o robô ‘vivo’ criado por cientistas que se movimenta por conta própria


Fontes: CanalTech, UOL, CanalTech 2.

The post Será que robôs podem ser inventores? | 360 Explica appeared first on Engenharia 360 | Engenharia para Todos.

Exemplo de amor, pai constrói exoesqueleto para filho caminhar [#engenhariatransforma]

exoesqueleto

Essa história que queremos contar sobre exoesqueleto começou na França. Antes disso, devemos lembrar que, nesta semana, iremos comemorar o dia dos pais. Por isso, nada mais propício do que apresentar esse pai, Oscar Constanza, muito amoroso e dedicado, que está ajudando a mudar a qualidade de vida de seu filho, Jean-Louis Constanza.

Jean nasceu com uma condição neurológica genética especial, que faz com que seus nervos não enviem sinais suficientes para as pernas. Em consequência, o menino não consegue andar sem ajuda. E foi justamente tentando ajudar que seu pai Oscar projetou e construiu um exoesqueleto extraordinário. Veja a seguir!

Imagem extraída de Gigazine
exoesqueleto
Imagem extraída de Guardian TV

A criação do exoesqueleto para Jean

“Um dia Oscar me disse: ‘pai, você é engenheiro robótico, por que não faz um robô que nos faça andar?’”, “Daqui a dez anos, não haverá cadeiras de rodas, ou muito menos;” – Oscar Constanza, em reportagem de G1.

O pai de Jean percebeu que o garoto precisava de alguém para ajudá-lo a andar; ou melhor, um equipamento que o desse assistência e o fizesse se sentir independente. Portanto, ele tomou uma atitude. Desenhou o protótipo de um exoesqueleto e se esforçou para tirar a ideia do papel e transformar em realidade. E, em 2012, ele ajudou a fundar a empresa Wandercraft, localizada em Paris, ao lado de dois sócios com familiares que utilizam cadeiras de rodas. Desse grupo vem surgindo boas notícias!

exoesqueleto
Imagem extraída de G1 – Globo

“Fazemos esse trabalho porque temos certeza que em 10 anos já não haverá, haverá muito menos cadeiras de rodas. As cadeiras de rodas são uma anomalia. Homens, mulheres, seres humanos devem ser bípedes. É o fato de andarmos eretos que nos fez humanos por centenas de milhares de anos, então devemos ficar de pé.” – Constanza, em reportagem de R7.

Perspectiva de vendas

O exoesqueleto projetado por Constanza para o seu filho Jean pode, no futuro, ajudar outros jovens. No entanto, esse exoesqueleto ainda não pode ser comprado para uso pessoal. Por hora, a Wandercraft está trabalhando na produção de modelos mais leves e utilizáveis possível, que supram essa necessidade.

A boa notícia é que a empresa de Constanza não é a única a investir nessa área. Outras empresas no mundo também estão fabricando exoesqueletos. Algumas se concentram em ajudar pessoas com deficiência a caminhar, outras em diversas aplicações, como fazer com que ficar em pé se torne menos cansativo para os trabalhadores de uma fábrica, por exemplo.

exoesqueleto
Imagem extraída de reuters
exoesqueleto
Imagem extraída de CNN Brasil
exoesqueleto
Imagem extraída de reuters

E você, também ficou emocionado com essa história? Compartilhe este texto para quem possa interessar!


Fontes: G1, Tribuna de Jundiaí, UOL, R7.

The post Exemplo de amor, pai constrói exoesqueleto para filho caminhar [#engenhariatransforma] appeared first on Engenharia 360 | Engenharia para Todos.

Robôs macios e contínuos podem percorrer superfícies delicadas

Um robô contínuo, em forma de fio, que mais parece uma minhoca robótica, pode ser de extrema aplicabilidade. Por quê? Bem, estes robozinhos ferromagnéticos com formato delicado também podem percorrer superfícies complexas. No caso, podem atravessar espaços estreitos sob o controle de campos magnéticos, auxiliando cirurgias, por exemplo.

Imagem: Nature.

Uso de robótica na medicina:

Atualmente, médicos e cirurgiões usam robôs parecidos com cobras em procedimentos no coração, mas esses dispositivos comercialmente disponíveis são grandes demais para partes do corpo mais delicadas. Não é todo tecido ou canal que suporta cateteres convencionais. (Leia sobre cateteres autônomos aqui).

Para resolver essa lacuna, uma equipe multidisciplinar de engenharia (mecânica, civil e ambiental e química) do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o admirado MIT, em criou robôs macios, com aparência de fio, com menos de 1 milímetro de largura. Essas minhoquinhas robóticas contêm partículas magnéticas microscópicas e são revestidas com um gel lubrificante rico em água. Um ímã, disposto em certa distância, permite direcionar o curso do robô por quem estiver realizando a manipulação.

O experimento com o robô contínuo:

A equipe de engenheiros mostrou que os robôs podem navegar
suavemente por uma série de aros espaçados. Os dispositivos também podem
deslizar através de passagens sinuosas, simulando vasos sanguíneos em uma
réplica em tamanho natural do cérebro humano.

No artigo científico, divulgado na Science Robotics, os autores
do trabalho argumentam que, dada sua atuação compacta e independente e
manipulação intuitiva, os “robôs de contínuo macio ferromagnético” (engenheirês
para o robô de que estamos falando) podem abrir caminhos para cirurgia robótica
minimamente invasiva. Isso significa menos cortes e riscos de infecção, por
exemplo. Além do mais, os testes realizados indicam que essa inovação tecnológica
pode permitir tratar lesões anteriormente inacessíveis, tais como alguns
aneurismas, abordando, assim, desafios e necessidades não atendidas na área da
saúde.

robô contínuo
Imagem: Science Robotics.

Fonte: Science Robotics.

The post Robôs macios e contínuos podem percorrer superfícies delicadas appeared first on Engenharia 360.