Design inteligente aplicado à economia de água

Um experimento realizado no departamento de engenharia mecânica da universidade de Stanford investigou quanto uma pia autônoma que se adapta ao usuário poderia influenciar na redução do consumo de água. A curiosidade é que a tal torneira inteligente ainda não existe. A gente conta a história:

torneira inteligente
Imagem: Stanford University

Pia inteligente, só que não:

A suposta “smart-torneira” permanece só um conceito, só que os testers não sabiam disso. William Jou e seus colegas do laboratório de engenharia mecânica fizeram outra coisa: uma torneira que parecia se ajustar automaticamente às preferências do usuário, mas na verdade era controlada por Jou. Basicamente, um placebo mecânico.

Os resultados do experimento, detalhados em um artigo científico apresentado em congresso, apoiam a ideia de que sumidouros inteligentes cuidadosamente projetados poderiam ajudar a conservar a água, regulando o uso da água e incentivando que os usuários desenvolvam hábitos mais eco-friendly.

Como foi o experimento:

Os participantes desse experimento tiveram que lavar a louça três vezes, com Jou secretamente controlando a temperatura e o fluxo da pia apenas durante a segunda lavagem. Para criar uma situação “confiável” de uma pia inteligente que toma decisões sobre a água, Jou monitorou de perto os estilos de lavagem dos participantes durante a primeira rodada de limpeza, para que ele pudesse imitá-los na segunda rodada.

Com Jou envolvido como observador oculto, os participantes usaram cerca de 26% menos água em comparação com a primeira lavagem. Na terceira rodada, eles ainda usavam 10% menos água em comparação com a primeira rodada, apesar de a pia voltar a ficar “sem cérebro”. Essa mudança no uso da água ocorreu sem que os participantes soubessem que o experimento era sobre conservação da água. A seguir, o vídeo divulgado pela Stanford University:

Em pesquisas após o experimento, 96% dos participantes que interagiram com a pia inteligente (havia um grupo de controle que lavou a louça três vezes sem Jou) disseram que pensavam que havia potencial para que torneiras inteligentes economizassem água. Muitos deles até manifestaram interesse em comprar esse produto.

Embora os resultados e a reação à lavagem com a assistência de Jou tenham sido impressionantes, os pesquisadores ficaram particularmente animados com a forma como uma breve interação com a função “autônoma” mudou o uso de água dos participantes.

A pia do futuro:

Os pesquisadores imaginam um futuro em que as pias dos hospitais incentivam os funcionários a lavar as mãos adequadamente e nossas preferências pessoais de pia e chuveiro podem ser transferidas para hotéis e casas de amigos. Escolas e bairros poderiam organizar competições para economizar água e aumentar a conscientização sobre a conservação da água. Por meio de recursos adicionais, a pia pode até detectar vazamentos.

Dito isto, vale ressaltar que esse estudo sobre comportamento dos usuários implementados a pia inteligente exigiu anos de trabalho e nem sequer incluiu um algoritmo. Além de implantar a inteligência artificial, criar uma versão para produção em massa de uma torneira inteligente, que seja realmente autônoma, exigirá sensores capazes de diferenciar usuários. Ainda assim, os pesquisadores estão otimistas de que estudos como esses possam lançar as bases para apoiar engenhosidades pensando em um futuro que agrade o usuário e seja amigável com o meio ambiente.

Fonte: Techxplore; IDETC-CIE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *